NOTÍCIAS

Ponte dos Jesuítas tem a beleza recuperada após obra e é devolvida à população da Zona Oeste – Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro – prefeitura.rio

A Ponte dos Jesuítas, em Santa Cruz – Rafael Catarcione / Prefeitura do Rio

A Ponte dos Jesuítas, no Bairro Imperial de Santa Cruz, recuperou a sua beleza e foi devolvida à população da Zona Oeste neste sábado (26/11). A Prefeitura do Rio, por meio da Secretaria Municipal de Conservação, restaurou a construção, que é tombada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) desde 1938. A intervenção faz parte das ações para celebrar o Bicentenário da Independência e teve o apoio da Rioluz e da Subprefeitura da Zona Oeste.

 

A Ponte dos Jesuítas, em Santa Cruz – Rafael Catarcione / Prefeitura do Rio

 

Situada na Estrada do Cortume, a Ponte dos Jesuítas foi construída em 1752 e é considerada a primeira obra de engenharia hidráulica do Brasil. Tem cerca de 50 metros de extensão e 6 metros de largura com cinco vãos para a passagem de água, onde originalmente corria o Rio Guandu, cujo fluxo era controlado pelos padres por meio de comportas de madeira. Servia também como ponto de travessia para tropeiros e pedestres que iam e vinham do interior em direção ao Rio de Janeiro.

A entrega teve a presença da secretária de Conservação, Anna Laura Valente Secco, do secretário de Turismo, Antonio Mariano, do jornalista André Luis Mansur, autor de “Santa Cruz – Nos caminhos da Independência”, de Sinvaldo Souza, fundador da Associação dos Amigos da Ponte dos Jesuítas – AAPJ, e de representantes do projeto Descubra Santa Cruz e da comunidade. Também houve apresentação da Banda Sinfônica de Santa Cruz.

Para a secretária de Conservação, Anna Laura Valente Secco, é motivo de orgulho devolver aos cariocas um marco da arquitetura nacional:

 

–  Ponte dos Jesuítas é parte importante da formação da cidade e uma das maravilhas do Rio. Pedimos que a população nos ajude a zelar por essa belíssima construção, denunciando atos de vandalismo. Preservar os monumentos é manter viva a nossa história e a nossa cultura.

A Ponte dos Jesuítas, em Santa Cruz – Rafael Catarcione / Prefeitura do Rio

 

Sob a supervisão da Gerência de Monumentos e Chafarizes, as equipes da Conservação executaram serviços como raspagem, limpeza e pintura da Ponte dos Jesuítas, que, assim como os Arcos da Lapa, é feita em pedra e cal. O piso em pé de moleque também recebeu cuidados. No entorno, ações de urbanização e tratamento paisagístico que facilitam a vida dos visitantes, como roçada e capina, recomposição de paralelepípedos, instalação de brinquedos, mesas e bancos, implementação de rampas de acesso ao nível inferior da ponte e construção de meios-fios, entre outras. Além disso, a Avenida Padre Guilherme Decaminada e a Estrada do Cortume, no trecho entre a Avenida Brasil e a Ponte dos Jesuítas, estão com a pavimentação nova em folha, dentro do programa Asfalto Liso.

A Praça da Ponte dos Jesuítas, na esquina da Estrada do Cortume com a Estrada do Guandu, passou por uma verdadeira transformação. A Secretaria Municipal de Conservação urbanizou o local, entregando para a população uma nova área para lazer e convivência. Foram instalados bancos em concreto e equipamentos de ginástica, bem como grampos para coibir estacionamento irregular. Além disso, o espaço recebeu piso em concreto, facilitando a circulação de pedestres.

A Rioluz, por meio da subconcessionária Smartluz, concluiu um projeto de reforço na iluminação local com instalação de 17 novos projetores, instalação de quatro luminárias, sete postes de fibra e a colocação de 700 metros de cabeamento subterrâneo.

O presidente da Rioluz, Paulo Cezar dos Santos, destacou a relevância da Ponte dos Jesuítas para o Rio de Janeiro.7:

 

– É um patrimônio histórico, arquitetônico e artístico de grande importância da Zona Oeste da cidade e merecia receber um grande projeto de revitalização da prefeitura do Rio.

 

Sobre a Ponte dos Jesuítas:

Concebida pelo padre Pero Fernandes, a Ponte dos Jesuítas foi erguida na mesma época da abertura de uma estrada para interligar a Fazenda de Santa Cruz, que pertencia aos jesuítas, à região de São Cristóvão. Além de servir para a passagem de tropeiros e pedestres, a construção tinha a função de regularizar o fluxo do Rio Guandu, promovendo a irrigação natural dos pastos e evitando inundações, desviando parte das águas para o Rio Itaguaí por meio de um canal artificial. Com a canalização do Rio Guandu, a ponte perdeu sua função original, mas se manteve como um dos mais belos e raros monumentos da arquitetura jesuítica no Rio de Janeiro.

 

A placa da Ponte dos Jesuítas, em Santa Cruz – Rafael Catarcione / Prefeitura do Rio

Compartilhe

Categoria:

  • 26 de novembro de 2022
  • Marcações:

    Notícias

    Programa Favela com Dignidade realiza 1.110 atendimentos no Jacarezinho

    26 de novembro de 2022

    Prefeitura contrata seguro de casco para novos ônibus do sistema BRT

    25 de novembro de 2022

    Secretaria de Saúde promove a 14ª edição da Jornada Científica dos Acadêmicos Bolsistas

    25 de novembro de 2022

    Comlurb prepara esquema especial de limpeza para 27ª Parada do Orgulho LGBTQIAP+ em Copacabana

    25 de novembro de 2022

    IVISA-Rio abre concurso para programas de residências

    25 de novembro de 2022

    < Voltar